Menu fechado

Concordância: nominal e verbal – Resumo

Estudando para um concurso público? Veja nossas apostilas disponíveis!

Apostilas opção são boas? veja este artigo sobre.

Concordância: nominal e verbal – Resumo

Concordância verbal é a concordância em número e pessoa entre o sujeito gramatical e o verbo.

Concordância nominal é a concordância em gênero e número entre os diversos nomes da oração, ocorrendo principalmente entre o artigo, o substantivo e o adjetivo.

Concordância em gênero indica a flexão em masculino e feminino.
Concordância em número indica a flexão em singular e plural. 
Concordância em pessoa indica a flexão em 1.ª, 2.ª ou 3.ª pessoa.

Exemplos de concordância verbal

  • Eu li;
  • Ele leu;
  • Nós lemos;
  • Eles leram.

Exemplos de concordância nominal

  • O vizinho novo;
  • A vizinha nova;
  • Os vizinhos novos;
  • As vizinhas novas.

Casos particulares de concordância verbal

  • Concordância com pronome relativo “que”
    O verbo estabelece concordância com o antecedente do pronome: sou eu que quero, somos nós que queremos, são eles que querem.
  • Concordância com pronome relativo “quem”
    O verbo estabelece concordância com o antecedente do pronome ou fica na 3.ª pessoa do singular: sou eu quem quero, sou eu quem quer.
  • Concordância com: a maioria, a maior parte, a metade,…
    Preferencialmente, o verbo estabelece concordância com a 3.ª pessoa do singular. Contudo, o uso da 3.ª pessoa do plural é igualmente aceitável: a maioria das pessoas quer, a maioria das pessoas querem.
  • Concordância com “um dos que”
    O verbo estabelece sempre concordância com a 3.ª pessoa do plural: um dos que ouviram, um dos que estudarão, um dos que sabem.
  • Concordância com “nem um nem outro”
    O verbo pode estabelecer concordância com a 3.ª pessoa do singular ou do plural: nem um nem outro veio, nem um nem outro vieram.
  • Concordância com verbos impessoais
    O verbo estabelece sempre concordância com a 3.ª pessoa do singular, uma vez que não possui um sujeito: havia pessoas, houve problemas, faz dois dias, já amanheceu.
  • Concordância com a partícula apassivadora “se”
    O verbo estabelece concordância com o objeto direto, que assume a função de sujeito paciente, podendo ficar no singular ou no plural: vende-se casa, vendem-se casas.
  • Concordância com a partícula de indeterminação do sujeito “se”
    O verbo estabelece sempre concordância com a 3.ª pessoa do singular quando a frase é formada por verbos intransitivos ou por verbos transitivos indiretos: precisa-se de funcionário, precisa-se de funcionários.
  • Concordância com o infinitivo pessoal
    O verbo no infinitivo sofre flexão sempre que houver um sujeito definido, quando se quiser definir o sujeito, quando o sujeito da segunda oração for diferente do da primeira: é para eles lerem, acho necessário comprarmos comida, eu vi eles chegarem tarde.
  • Concordância com o infinitivo impessoal
    O verbo no infinitivo não sofre flexão quando não houver um sujeito definido, quando o sujeito da segunda oração for igual ao da primeira oração, em locuções verbais, com verbos preposicionados e com verbos imperativos: eles querem comprar, passamos para ver você, eles estão a ouvir.
  • Concordância com o verbo “ser”
    O verbo estabelece concordância com o predicativo do sujeito, podendo ficar no singular ou no plural: isto é uma mentira, isto são mentiras; quem é você, quem são vocês.

 

Estudando para um concurso público? Veja nossas apostilas disponíveis!

Apostilas opção são boas? veja este artigo sobre.

Casos particulares de concordância nominal

  • Concordância com pronomes pessoais
    O adjetivo estabelece concordância em gênero e número com o pronome pessoal: ela é simpática, ele é simpático, elas são simpáticas, eles são simpáticos.
  • Concordância com vários substantivos
    O adjetivo estabelece concordância em gênero e número com o substantivo que está mais próximo: caderno e caneta nova, caneta e caderno novo. Pode também estabelecer concordância com a forma no masculino plural: caneta e caderno novos, caderno e caneta novos.
  • Concordância com vários adjetivos
    Quando há dois ou mais adjetivos no singular, o substantivo permanece no singular apenas se houver um artigo entre os adjetivos. Sem a presença de um artigo, o substantivo deverá ser escrito no plural: o escritor brasileiro e o chileno, os escritores brasileiro e chileno.
  • Concordância com: é proibido, é permitido, é preciso, é necessário, é bom
    Estas expressões estabelecem concordância em gênero e número com o substantivo quando há um artigo que determina o substantivo, mas permanecem invariáveis no masculino singular quando não há artigo: é permitida a entrada, é permitido entrada, é proibida a venda, é proibido venda.
  • Concordância com: bastante, muito, pouco, meio, longe, caro e barato
    Estas palavras estabelecem concordância em gênero e número com o substantivo quando possuem função de adjetivo: comi meio chocolate, comi meia maçã, há bastante procura, há bastantes pedidos, vi muitas crianças, vi muitos adultos.
  • Concordância com “menos”
    A palavra menos permanece sempre invariável, quer atue como advérbio ou como adjetivo: menos tristeza, menos medo, menos traições, menos pedidos.
  • Concordância com: mesmo, próprio, anexo, obrigado, quite, incluso
    Estas palavras estabelecem concordância em gênero e número com o substantivo: resultados anexos, informações anexas, as próprias pessoas, o próprio síndico, ele mesmo, elas mesmas.
  • Concordância com “um e outro”
    Com a expressão um e outro, o adjetivo deverá ser sempre escrito no plural, mesmo que o substantivo esteja no singular: um e outro aluno estudiosos, uma e outra pergunta respondidas.

Fonte: Conjugação

Vídeo(s):

 

Concordância: nominal e verbal – Resumo

Estudando para um concurso público? Veja nossas apostilas disponíveis!

Apostilas opção são boas? veja este artigo sobre.

Publicado em:Português

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *